VII Simpósio Anual da Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB).

Pela primeira vez em Brasília, com atividades para pacientes/familiares e estudantes/profissionais.
Valores de inscrição reduzidos para os primeiros lotes.As palestras estão ótimas! São só sobre temas de Transtorno Bipolar!Tem vários especialistas sobre o Transtorno bipolar!Corra e faça a sua inscrição preço especial pro primeiro lote para portadores e familiares por 40,00 reais, esse preço é para inscrição realizada até dia 20/10.Confira a programação no site!Contamos com a presença de vocês!
Mais informações  e inscrição pelo site:www.abtbipolar.com



O Transtorno no Ambiente Familiar


Quando um portador fica doente, não é só ele que adoeceu, a família também adoece.
O portador é só a ponta do iceberg.
A Família está doente, só que o portador é a parte mais sensível, então ele manifesta o transtorno.

O Transtorno, para se manifestar, tem que ter a predisposição genética. Mas não basta só ter a predisposição genética, tem que ter um ambiente favorável para eclodir a crise. A crise nasce num ambiente fértil. E ela não aparece do dia para noite, é um processo, o que a gente vê na verdade é o ápice da crise. Que tanto pode ser uma crise de euforia, como pode ser uma crise depressiva, que eclodiu. Essa eclosão da crise, o que desencadeou, é um evento estressor. É como se esse evento estressor fosse o que faltava para o copo de água transbordar.

Para se recuperar, o portador precisa de um ambiente favorável.
Igual a uma planta, ele precisa de um ambiente adequado para crescer. A recuperação se dará mais rápida se o ambiente for favorável.

Por isso, muitas famílias, além de participar efetivamente do tratamento, principalmente aquelas pessoas mais próximas do paciente, precisam fazer um acompanhamento psicológico. Quando a família se trata, a recuperação é mais rápida e o processo é menos desgastante.
Já, quando o ambiente não é favorável, além de atrapalhar na recuperação do paciente, muitas vezes prejudicado por causa de um ambiente hostil, esse mesmo ambiente hostil faz com que o paciente tenha muito mais recaídas.


Porém, não basta só ter um ambiente favorável, o paciente tem que ter vontade de se recuperar.

Segue o vídeo que eu gravei no youtube sobre Transtorno bipolar e a importãncia do apoio da Família.




Acompanhe no Facebook  e no Instagram e Inscreva-se no canal Viviane Vaz Coach no Youtube.  Mais Informações acessem o site coachesdesuperacao.com 


Convido vcs a assistir o Workhop de Treinamento Emocional

Um pouco da minha história..

Fui diagnosticada com transtorno bipolar em 2001. 
De lá pra cá tive várias crises, isso atrasou minha formatura, tive várias perdas e abalou relacionamentos.
Com o tempo eu descobri que não bastava somente o tratamento convencional pra ficar estável (medicação e terapia) precisava de eu me cuidar por inteiro, e a ter hábitos de vida mais saudável, de cuidar da espiritualidade, de saber buscar ajuda no momento certo, etc.
Depois de alguns anos tendo crises consegui ficar estável e estou estável há 10 anos! Levo uma vida normal, trabalho, estudo, tenho meus Hobbies. Já conquistei várias coisas na vida e tenho minha independência financeira!

Com intuito de ajudar outros bipolares a também alcançar a estabilidade emocional ( até porque quando estamos bem emocionalmente conseguimos esta bem em todas as áreas de nossa vida), eu desenvolvi um Workshop de Treinamento Emocional e um E book com 7 Dicas! Esse treinamento eu compartilho TUDO que eu aprendi e que me ajudou a recuperar do Transtorno!
Convido vc a assistir o Treinamento!


Entre no canal 🎬YouTube link 👇
https://www.youtube.com/c/VivianeVazCoach


Sei que cada um tem sua maneira e seu tempo, pois cada pessoa passa pelo que ela precisa passar. Mas espero de coração que esse treinamento possa te ajudar de alguma forma.
beijos Viviane Vaz


Acompanhe no Facebook  e no Instagram e Inscreva-se no canal Viviane Vaz Coach no Youtube.  Mais Informações acessem o site coachesdesuperacao.com 

Entrevista com Anderson Pires sobre o Transtorno Bipolar!

Excelente entrevista com Anderson Pires sobre o Transtorno bipolar!!
Ele explica bem o transtorno bipolar, fala da sua própia experiencia e dá várias dicas do que o ajudou na recuperação! 
Anderson Pires ele é : Palestrante, professor de Yoga, Escritor, autor do livro: BIPOLARIDADE - Sintomas - Convivência - Equilíbrio. Vale a pena conferir! Inclusive pessoal eu tenho o livro do Anderson é excelente! super recomendo! 

link para entrevista>
https://www.facebook.com/redevaitv/







Acompanhe no Facebook  e no Instagram e Inscreva-se no canal Viviane Vaz Coach no Youtube.  Mais Informações acessem o site coachesdesuperacao.com 


A TV UNB fala sobre o Transtorno Bipolar


Transtorno Bipolar! Entrevista na TV UNB. Alba fala da sua experiência com o Transtorno Bipolar e também fala do grupo APTA. O Apta é uma Associação - Núcleo de mútuo Ajuda às pessoas com transtornos Afetivos do Distrito Federal.
O APTA tem um grupo de acolhimento que se reúne todos os sábados na UNB.
Mais informações:
http://apta-df.blogspot.com.br/

Segue a entrevista da Alba que fala da sua experiência e como superou a doença e aprendeu a viver com o transtorno bipolar



Acompanhe no Facebook  e no Instagram e Inscreva-se no canal Viviane Vaz Coach no Youtube.  Mais Informações acessem o site coachesdesuperacao.com 

É nulo pedido de demissão feito por trabalhador durante crise de depressão, entende TST



goo.gl/cmlHtL | O pedido de demissão feito por um trabalhador em crise de depressão é nulo, devendo o empregador encaminhá-lo ao INSS. O entendimento é da 7ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que rejeitou recurso de um hospital que contestava sentença que o obrigou a recontratar enfermeira que havia se demitido. O ato foi declarado nulo porque ficou comprovado para os ministros que, naquele período, a funcionária estava com sua capacidade de discernimento comprometida.

O ministro Cláudio Mascarenhas Brandão, relator do processo na 7ª Turma, afirmou que "o estado depressivo da enfermeira era tão grave que passou dias sem comer, chegando ao ponto de ter a porta de casa arrombada, pois sequer atendia aos chamados da irmã, que estava preocupada com sua saúde e estado mental".

Com base nos fatos e provas registrados na segunda instância, o ministro concluiu que a decretação da nulidade do ato praticado por trabalhadora teve o correto enquadramento jurídico, considerando que ela não tinha condições de praticar atos da vida civil. "O quadro descrito no acórdão regional deixa claro que, ao tempo do pedido de demissão, a trabalhadora estava com sua capacidade de discernimento comprometida em razão de enfermidade psiquiátrica", explicou Brandão, salientando que o empregador conhecia bem o estado psíquico da empregada.

Além da reintegração, o tribunal regional determinou o restabelecimento de todas as condições de trabalho existentes na data da demissão e o pagamento dos salários de todo o período em que ela permaneceu afastada.

Transtorno bipolar

Empregada pública municipal concursada do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, a trabalhadora tem transtorno afetivo bipolar, com crises depressivas. Ela alegou que não foi submetida ao exame médico na ocasião da demissão e que o hospital conhecia seu estado médico, mas, ainda assim, preferiu aceitar o pedido de demissão, quando deveria encaminhá-la ao INSS.

O hospital defendeu a validade do ato afirmando que a empregada não estava incapacitada no momento do pedido de demissão, em julho de 2010, argumentando que o último exame feito por ela, em janeiro daquele ano, atestou sua aptidão para exercer as funções de enfermeira.

Na primeira instância, o pedido de demissão foi considerado válido, por não haver prova capaz de demonstrar que a trabalhadora estivesse, de fato, com limitações cognitivas. O Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região, porém, reformou a sentença, destacando relato médico que atestou que a enfermeira estava em crise no momento do pedido de demissão. Com informações da Assessoria de Imprensa do TST.

Clique aqui para ler o acórdão.

Fonte: http://www.amodireito.com.br/2016/03/e-nulo-pedido-de-demissao-feito-por.html?m=1




Acompanhe no Facebook  e no Instagram e Inscreva-se no canal Viviane Vaz Coach no Youtube.  Mais Informações acessem o site coachesdesuperacao.com 

Dicas para o Familiar lidar com paciente em crise maníaca ou psicótico

              Filme Uma Mente Brilhante, momento de um episódio psicótico.



Antes de mais nada tem que ficar claro que só podemos ajudar quem quer ser ajudado.
Se o paciente está em crise e não aceita o tratamento então a família tem que intervir.

No caso de surto ou crise maníaca a solução é internação.
A pessoa sozinha sair do surto é muito difícil. E o problema é que os episódios psicóticos podem evoluir, pois a doença quando não é tratada ela é progressiva. E pode gerar sequelas.
Sem contar o risco de vida que ele pode passar ou, sem querer, fazer outras pessoas passarem. Pois não sabemos que tipo de alucinações a pessoa pode ter.

Seguem as dicas:



1º Opção: Internação domiciliar 

Ache um amigo ou alguém que ele confie muito. Aquela pessoa que ele mais admira e respeita.
Peça para essa pessoa conversar com ele para ele aceitar fazer o tratamento, aceitar ir ao médico e tomar a medicação, ir na terapia. E levar o tratamento a sério.
Para isso é bom quem em casa fique sempre alguém com o paciente para ele não ficar só e principalmente alguém responsável pela medicação para dá nos horários certinhos.


2º Opção: internação numa clínica com o consentimento do Paciente

Se ele não aceitar a internação domiciliar! Ou tiver muito agitado e não tiver condições de ficar em casa, converse com ele para ir para uma clínica que lá na clínica vão cuidar bem dele!
Na clínica não apenas dão os remédios nos horários certinho, como tem várias atividades terapêutica e muitas têm atividades físicas e tem lazer também! Pode ser uma clínica tipo uma chácara! Que tem contato com natureza e geralmente essas os ambientes são mais humanizados e adequados para ele descansar a mente.
É importante pesquisar bem a clínica e buscar referências de pessoas que já ficaram lá. Não pesquisar só em sites mais conversar com pacientes e familiares para buscar as melhores clinicas que tratam melhor o paciente.

Indo para a clínica é recomendável a família ir sempre visitar, para a família acompanhar como está sendo o tratamento e como o paciente está sendo tratado.

3º  Opção: internação compulsória!

Mesmo contra a vontade do paciente!
Se ele não aceita nada e continuar a se negar a se tratar! Infelizmente a única opção que resta!
E melhora tratar contra a vontade dele! E no começo, ele vai ficar com raiva de vcs! Mas, é melhor do que deixar a doença evoluir!
Como eu disse a psicose pode se agravar! E pode gerar sequelas para o paciente, sem contar os riscos que ele corre andando psicótico pelas ruas!
Para o bem dele! Vcs devem intervir!
No futuro ele vai te agradecer!

Abraços e boa sorte!



Acompanhe no Facebook  e no Instagram e Inscreva-se no canal Viviane Vaz Coach no Youtube.  Mais Informações acessem o site coachesdesuperacao.com