Sobre o Blog

Eu resolvi criar o Blog Mente inquieta em 2006.

É um espaço de discussão para pessoas (bipolares, familiares e amigos) que convivem com o Transtorno Bipolar possam  trocar ideias sobre a bipolaridade: sobre como conviver com ela, como agir em momentos difíceis, etc. Tudo isso e muito mais em formas de posts ou comentários, num ambiente que leva o conhecimento  sobre o transtorno bipolar, com isso a diminuição do estigma e do preconceito e, ao mesmo tempo, a troca de experiências entre as pessoas  para que possam se ajudar mutualmente a lidar com a bipolaridade e a conviver com ela.

O blog  é para pessoas sem preconceitos e pessoas acima de tudo que acreditam na recuperação e na inclusão do bipolar.
Acreditar que o bipolar pode ter uma vida normal e defender essa idéia é um dos principais focos desse blog.

O significado do nome Convivendo com a bipolaridade, primeiramente eu quero dizer em relação à pessoa que tem o transtorno bipolar, pois a gente convive com esse transtorno, por isso o nome convivendo com a bipolaridade. Tem pessoas que interpretam que convivendo com a bipolaridade é convivendo com o bipolar. É uma forma de interpretar, mas lembrando que a pessoa tem a bipolaridade, mas não é a bipolaridade.

Embora eu tenha estudado engenharia, por causa da minha convivência com a bipolaridade eu sempre busco me informar, ler não só sobre bipolaridade, mas ler sobre vários assuntos principalmente aos relacionados à psicologia.

O que me inspirou essa busca?

A minha própria experiência, que no início era para buscar o conhecimento e compreensão sobre o que ocorria comigo. Depois de um tempo resolvi compartilhar um pouco disso com vocês!



Beijos


Viviane Vaz







20 comentários:

S. Albuquerque disse...

Esta é um ótima iniciativa. Parabéns!

Sou psiquiatra e tenho um blog sobre psiquiatria e cultura. Lá há alguns textos sobre transtorno mental e criatividade.

Você sabia que o TAB tem relação com a criatividade artística?

Mente inquieta disse...

Sim, claro. Dei uma olhada no seu blog achei muito bom! Parabéns pela inciativa! É o primeiro espaço que vejo que o foco é falar da psiquiatria e a arte.

Anônimo disse...

Descobri agora este blogue, dei uma olhada rápida, parece-me bastante interessante, onde moro à um estigma grande à volta da bipolaridade, sou artista plástico e a bipolaridade tem coisas boas e más, tanto se desce ao inferno de depressões em espiral, como a criatividade parece não conhecer limites.

Abraço:

P.F.

Anônimo disse...

ola viviane tenho um filho com transtorno bipolar de humor, as pessoas da sociedade onde vivo não aceitao, são preconceituosos, oque posso fazer??
isto esta gerando muitos problemas....
sou Marcia moro no RS.

Anônimo disse...

Caramba. Andei pesquisando na net e isso tem me ajudado muito. Bom saber que existem pessoas que passam pelos mesmos problemas e pelas mesmas diciculdades que eu.

Anônimo disse...

parabéns pelo seu blog,convivo com familiares que tem bipolaridade e tem sido difícil,quero muito ajudar mas as vezes acho que atrapalho,tenho muita dificuldade em saber como lidar,o que dizer como estimular...

Anônimo disse...

Tenho uma irmã com transtorno bipolar, ela tem 48 anos e descobriu a doença tem 3 anos, com diagnostico do Psiquiatra.Estamos todos sofrendo com ela, pois esta comprando compulsivamente, já esta com o nome sujo e fica comprando anotado ou seja fiado.Não sabemos mais o que fazer, pois a medicação minha mãe da a ela na mão pra beber, pois se ela ficar por conta própria ela não toma correto.Ela mora com minha mãe que tem 73 anos.Briga com ela demais, quer que ela dê dinheiro pra ela e já estamos com medo que ela faça coisa pior com nossa mãe.Sempre acha que ela é certa, que o que faz é certo...diga-me o que fazer. Sem mais...

Giszzz Mattos disse...

Olá, gostei do blog.
Eu sou bipolar(diagnosticada desde 2009) e venha numa batalha. Tenho um blog onde conto as percepções relativo a bipolaridade. Quem quiser de uma passa por lá: http://diadepancadasoudebeijinhos.blogspot.com.br/

Anônimo disse...

Olá, já fui diagnosticasa com Síndrome do Pânico, Depressão Recorrente e por último com Transtorno Bipolar... Tomo vários remédios mas parece que nada ajuda, tenho altos e baixos, mas mais baixos, sei que ando insuportável porque queria me fechar num quarto e não falar com ninguém, mas tenho família, marido e filha e um emprego... Queria muito morrer... Estou muito mal, tenho dores no corpo e na alma. Meu marido não me entende e acho que vai me deixar... Tenho pensado mto em me matar, mas penso no sofrimento da minha família... Queria que uma doença me levasse... não aguento mais....

Mente inquieta disse...

Anonima (31/03/14),
Deve ser muito difícil tomar vários remédios e não vê melhora.
Às vezes demora mesmo para o medico acertar com as medicações, mas quando acerta as medicações a melhora vem mais rápido.
Vc deve conversar com seu medico sobre as medicações.
Com relação a estar insuportável, a gente fica assim mesmo quando não esta bem. Se precisa se isolar, se isole. Mesmo vc tendo filho e marido, peça a ajuda de alguém da sua família, se não for seu marido, peça ajuda para outra pessoa da sua família ou alguem de sua confiança. Sozinha é mais difícil para gente sair dessa. O mais importante nesse momento é sua saúde. Às vezes é importante tirar um tempo pra si mesma, ate tirar licença do trabalho, para vc se recuperar e voltar mais forte.
Desejo muita força pra vc!
Abraços

Anônimo disse...

Parabéns pelo site, informações e apoio muito úteis. Sou pai de um jovem com depressão e que o psiquiátra está acreditando ser bipolar tipo 2. Minha mulher e eu temos sofrido e chorado muito nos últimos meses. Ver que a doença pode ser controlada e a vida prosseguir normalmente nos dá uma força muito grande. Obrigado. Paulo.

Anônimo disse...

Parabéns pelo blog. Muito inteligente e informador. Sou bipolar desde os 18 anos, mas só fui diagnosticada aos 22. Procurei blogs o dia todo e fiquei muito satisfeita por encontrar o seu. Confesso que me identifiquei com sua história, pois também tive crises na época da universidade e apesar de tudo consegui a graduação. Sou empregada pública. Já fui aprovada em 4 concursos e ainda estou estudando para outros. Estou sempre estudando sobre bipolaridade, as vezes acho que sei mais sobre o transtorno bipolar que a minha psicóloga. Contudo não deixo de fazer terapia. Estou com dificuldades no momento para estabilizar o meu humor. Porém, continuo lutando. Obrigada pelo seu blog.

Toque de Arte disse...

Descobri que eu era Bipolar com 29 anos, embora eu tenho traços do transtorno desde a infância. Viver é uma luta diária, sou casada e tenho um filho de 5 anos (ele tem autismo leve), tem dia que acho que vou pirar. Não saio de casa, não sinto vontade de falar com ninguém, não quero ver ninguém e por vezes estou explosiva, minha mente trabalha tanto que passo noites sem dormir, a criatividade rola solta num problema sem cura aos olhos da medicina e repugnante aos olhos da sociedade.

Bi disse...

Olá! Como muitas pessoas, também procuro experiências, que me inspirem e façam o meu lugar mais rico. Sou bipolar, basicamente, com sintomas desde criança. Passei por vamos tipos de medicamentos e terapias, que se revelaram ineficazes. Hoje, com 27 anos, ainda luto para equilibrar a minha vida.

Por isso criei este blog: http://avidadabi.blogspot.pt/

Gostava que se torna-se também um lugar de encontro e alivio para todas as pessoas que estão a passar e passarão por esta doença.

Obrigada.
Com amor,
Bi

Anônimo disse...

Olá! Tenho um irmão que foi diagnosticado com transtorno bipolar. Há mais ou menos 9 anos ele vinham apresentando os sintomas, mas nao conseguiamos leva-lo ao psiquiatra. Até que apos uma fase maniaca em 2013 ele pediu pra que o levassemos e ele foi diagnostico. Ele é cantor na região, e como fica com comportamento diferenciado é muito criticado, e tudo isso o atormenta em razão das repercussões em rede social! Há mais ou menos 3 meses ele está na fase maniaca, e publicamente ja teve varias crises, na ultima ele deu murros em um rapaz que o chamou de drogado, porque no interior que moravamos todos acham isso pelo comportamento dele. Ele surtou faz dois dias, no dia do incidente com rapaz e foi parar no hospital sem conseguir falar e com fraqueza. Desde seu diagnóstico não admitiu mais voltar no medico, quando esta na fase maníaca sempre afirma que nao precisa voltar. Apos o surto, ontem, ele pediu pra ir ao medico e o medico aumentou a dosagem de seroquiel e adicionou rivotril ao tratamento. Hoje ele ainda se apresentou bem perturbado com as idéias, nao para de fazer postagens em facebook falando de seu trabalho, ligar pra pessoas, ligar pra mulheres. Questiono o que nos orienta a fazer como família? Ele renunciou ao cargo de apresentador de um festival, e isso o está deixando mais agitado. Queria saber o que fazer pra que ele evitasse postagens e ligações, porque isso cada vez mais o ridiculariza e ele sendo pessoa publica isso acaba com a profissão dele.

Mente inquieta disse...

Anônima,

No caso o seu irmão deve está em euforia e ou mania. Nessa fase a pessoa fica muita agitada e tende a fazer muitas coisas de uma vez e ter grandes planos e sonhos.
Não que esses sonhos não sejam possíveis, mas na euforia não pensamos muito com a razão, agimos muito por impulso e como estamos agitados não conseguimos esperar, pois estamos muito ansiosos e queremos tudo pra logo!
Meu conselho é conversar com ele para ele adiar algum plano, o máximo que vc conseguir adiar é um tempo que vc ganha.
Por exemplo: ele quer começar um curso muito caro, que não é tão necessário, mas na cabeça dele é imprescindível, tente convencê-lo a adiar por um mês ou pelo menos adiar por duas semanas.
Diga " Vc vai fazer isso, só to te pedindo pra vc esperar 15 dias pra começar a fazer."
A Quetiapina é um remédio muito bom como antipsicótico, estabilizador do humor e serve para desacelerar também. Mas precisa de um tempo para agir. Com 15 dias a medicação já vai esta fazendo mais efeito.
Com relação a exposição ao publico, a internet ou telefone, nesse caso vc deve conversar com calma com ele, explicar que ele está agitado, que ele esta com excesso de postagens, de informações. Explicar que mesmo as informações sendo uteis, tudo que é demais assusta, que ele deve maneirar e se ele não conseguir, de um tempo pelo menos de 1 semana de internet. Fala que vc esta dizendo isso, tudo pro bem dele.
Se conseguir que ele concorde com isso, 1 semana sem internet vai ajudar muito.
Pois a internet, lugares cheio de gente, show, shopping, lugar de muito barulho são coisas muito estimulantes que excitam a euforia, alimentam a euforia e deixa a pessoa cada vez mais eufórica.
O ideal é ele se isolar uns dias ou semanas num lugar tranquilo ou em casa sem internet para passar a euforia.
Pois, não adiantar tomar medicação e ficar mandando um muito de estímulos para euforia, se ele ajudar a euforia passa mais rápido.
O importante também verificar o sono dele, se ele dormir direitinho a noite toda. Ficar de olho se ele não fica na internet de madrugada, se ficar tome o cel dele (antes dele dormir) ou desligue a internet.
Se ele dormir a noite toda, isso vai ajuda-lo a desacelerar e voltar ao normal.

Logo, pra desacelerar é medicação, dormir direito e evitar estímulos como (internet, lugar cheio de gente, etc.)

Espero ter ajudado!

Abraços

Anônimo disse...

Sou Italo Acredito que estou com transtorno bipolar tenho crises de depressão e depois tenho uma alegria que não sei explicar. Atualmente não estou conseguindo ir ao meu Curso e estou me isolando tenho vontade de morrer. Vou procurar um psiquiatra já fiz terapia mas não resolveu (Pq achavam que estava com depressão) moro em Montes Claros, MG aqui acredito não ter grupos de apoio.

Anônimo disse...

Busquei ajuda na internet, pois estou sem psicóloga no momento, e apesar de estar me medicando, na medida do possível, estou sentindo os sintomas das crises. Sou Bipolar desde a adolescência, mas nessa idade, apesar de várias internações, sempre acabava por conseguir me manter financeiramente. Entretanto de uns anos para cá, mesmo estando em tratamento, venho tendo crises cada vez mais, estou cada vez mais isolada, não me arrisco nem em pensar em tentar vencer barreiras, pois cada coisa que penso em fazer, que exija estar em público há várias barreiras que preciso vencer e que acaba por me limitar. Minha filha diz que eu adoro me crucificar, que eu me odeio por não conseguir valorizar algumas vitórias, mas honestamente o meu cérebro não me permite, em tempo integral eu vivo cobrando atitudes minhas as quais não estou sendo capaz de desenvolver e sou infeliz, apesar de lutar muito para mudar esse hábito, não consigo. Assim, agora aos cinquenta anos de idade, sinto que a cada dia minhas chances vão sendo mais limitadas e me desespero, assim fico tentando de um jeito e de outro sentir que tenho valor. Estou com crises de choro, esquecendo de tudo, dificuldade de manter a atenção, e muito triste. Só precisava me desabafar...

Meise Pacheco de Souza disse...

Gostei do seu blog minha mãe é bipolar e estou estudando para ajudar ela o nome dela é Meise Pacheco de Souza

Meise Pacheco de Souza disse...

Gostei dese blog parabens pela iniciativa , resposta do filho de Meise Pacheco de Souza