Grupos de Apoio

Grupos de apoio aos Bipolares e Familiares:

São Paulo : ABRATA - Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtorno Afetivos
Missão da ABRATA - Informar e educar a sociedade sobre a natureza dos transtornos afetivos. Apoiar psicossocialmente os portadores de depressão, transtorno bipolar, seus familiares e amigos. Reduzir o estigma e melhorar a qualidade de vida dos portadores de transtornos afetivos.
Foi criada em 1999. Neste período, cerca de 12 mil pessoas assistiram às palestras psicoeducacionais, mais de 7 mil foram atendidas por telefone, cerca de 3.000 participaram dos grupos de autoajuda. 
A ABRATA é uma Associação Civil sem fins lucrativos, que funciona apenas na Capital do Estado de São Paulo, em sede alugada em parceria com a AFIP ,situada na Rua Borges Lagoa, 74 conj.

Atendimento:
O atendimento ao público é feito exclusiva-mente através de contatos com equipe de voluntários por e-mails ou telefone, ou pela participação nas atividades – gratuitas . Confira na AGENDA.

Contatos: Fone:(11) 3256-4698 de segunda à sexta, das 13:30 às 17:00h. E-mail: contato@abrata.org.br  e  Site : http://www.abrata.org.br/


Brasília: APTA DF - Núcleo de Mútua Ajuda a Pessoas com Transtornos Afetivos do Distrito Federal

O APTA é uma sociedade civil sem fins lucrativos, consolidada no mútuo apoio solidário às pessoas com transtornos afetivos, seus familiares, profissionais da área de saúde e cidadãos interessados, com a finalidade de promover a saúde mental, sem quaisquer tipos de discriminação. Tendo sede na Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília. Qualquer um pode participar.

Acolhimento todo sábado.

Grupo de Acolhimento: O Grupo de Acolhimento tem por objetivo reunir pessoas que vivenciam as mesmas dificuldades decorrentes dos transtornos afetivos (depressão e transtorno bipolar), para então proporcionar um espaço de compartilhamento, compreensão, apoio, e todos os benefícios disso decorrentes.
“As reuniões são dirigidas por psicólogas voluntárias, e ocorrerão semanalmente, todos os sábados, das 15 às 16 horas (podendo se estender até as 16h30), na sala AC 104 da faculdade de medicina da UnB. "

Maiores Informações: ligando em horário comercial para (61)33072522. E-mail: apta.apta@gmail.com    Blog:  http://apta-df.blogspot.com.br/
Facebook: www.facebook.com/pages/APTA-Núcleo-de-Mútua-Ajuda-a-Transtornos-Afetivos


 Rio de JaneiroGABrio – Grupo Afetivo Bipolar Rio
Grupo GABRio - Grupo Afetivo Bipolar Rio - Local: Rio de Janeiro 

Esse grupo é dedicado a portadores, pais, familiares e amigos, profissionais das áreas de saúde e a todos que se interessarem em saber mais sobre o Transtorno de Humos Bipolar. 

Site: http://www.bipolaremfoco.com.br/
          www.evelynvinocur.com.br 

Mais informações: (21) 2576- 5198 ou 997490-07
Av 28 de Setembro, 389 - Sétimo Andar - Auditório. Ed. Vila Trade Center - 
Vila Isabel - RJ
GAB.Rio Bipolar em Foco
BIPOLAREMFOCO.COM.BR



·     Porto Alegre/RS - GAPB

           O Grupo de Apoio aos Pacientes com Transtorno do Humor Bipolar (GAPB) promove palestras informativas para familiares, pacientes e portadores do diagnóstico. O lema “Informação, Prevenção e Tratamento”, define os objetivos do grupo, que busca oferecer informação à população, prevenindo que se criem interpretações erradas sobre o diagnóstico e a busca de um tratamento adequado o mais cedo possível. O grupo é vinculado ao Programa de Atendimento do Transtorno de Humor Bipolar (Protahbi) do Hospital de Clínicas de Porto Alegre.
      
      As reuniões são uma vez por mês, com palestras educacionais, nas terças-feiras, às 19h, na sala 160 do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Para participar, não é necessário realizar inscrição e os organizadores não fornecem certificado de participação.
 Informações: https://gapb.wordpress.com/

• Porto Alegre/ RS -Associação STABILITAS – 
 A associação realiza palestras mensais informativas e gratuitas que reúnem profissionais qualificados, portadores do Transtorno Bipolar do Humor e interessados nesta patologia.
Tel:  (51) 9182-5419 ou email stabilitas@bol.com.br

• Porto Alegre/RS

AGAFAPE - Associação Gaúcha de Familiares  e Pacientes com Esquizofrenia e demais doenças mentais.

 Santa Maria/RS

AFAB – Associação de Familiares, Amigos e Bipolares de Santa Maria 
Médica responsável; Dra Martha Noal – Especializada em transtorno bipolar.

 Fortaleza / Ceará

ADM  – Associação em Defesa da Saúde Mental Tels: (85) 3231 3203  (85) 3366 8149
GETA - Grupo de Estudos em Transtornos Afetivos do Hospital Universitário Prof. Walter Cantidio

56 comentários:

Anônimo disse...

Uso carbolitium, e estou muito bem. Mas já usei nortipitilina, pamelor,clonazepan por 2 anos. Bem acompamhada um bom profissional dar pra viver bem.

Anônimo disse...

oi meu nome éJoao moro em Caxias do sul tenho 5 irmaos 3 tem bipolar 1 faz mais de 10anos 2 tem crises de euforia e periodos de de cama sao teimosos nao sei oq fazer temedo até de suisidio se alguem puder fazer alguma coisa.obrig.meu tel é:5432834475 ou 5491849803 tim ou emeiljoaomazzochidomel@hotmail.com

Anônimo disse...

eu tenho transtorno bipolar e venho pesquisando sobre o tal surto psicótico, não vejo muito falarem dele, eu tenho medo de machucar alguém e me machucar.

Juliano Signori disse...

Olá!
A psicologia transpessoal tem uma outra visão sobre a bipolaridade e, um site com bastante informações a respeito é: www.almapipolar.com

Abraço

Anônimo disse...

Olá. Tenho 29 anos, sou mãe de dois filhos uma menina de 4 meses e um menino de 6 anos. Fui diagnosticada com transtorno bipolar há 2 anos, mas tenho dificuldade em aceitar apesar da minha vida ser um clichê do transtorno, quando leio os sintomas na infância e adolescência é como ler uma biografia...
Meu filho de 6 anos está apresentando alguns desses sintomas... nas verdade muitos... a escola fala em TDHA mas eu tenho certeza que é bipolaridade. Estamos acompanhando com uma psicologa, apesar de ter certeza acho que o diagnostico iria me matar, não quero que ele tenha a vida que eu tive que eu tenho. Estou sem medicação desde que descobri a gravidez, sem acompanhamento psicológico também. Em alguns momentos penso "Estou doente, preciso de ajuda, de tratamento". Mas nos momentos de depressão e raiva (95% do tempo) penso que qualquer pessoa agiria ou pensaria como eu se vivesse o que eu vivo que sou normal que ninguém aguentaria.
Magoo minha família, principalmente meu filho, penso em suicidio o tempo inteiro, tem dias que não levanto da cama, não tenho mais forças para lutar estou exausta.

Anônimo disse...

sou bipolar diagnosticada a um ano,usei lítio por 9meses, mas resolvemos mudar para torval porem estou e euforia a dois meses e difícil pareço um animal, nao penso, doi, cansa, pensamentos de solução que não vejo,dai vem o suicídio.Digo que mato um leao por dia no tapa,e vou seguindo dia a dia.So queria ser feliz;




Mente inquieta disse...

Anônimo de 29 de abril,

O torval é um estabilizador de humor muito fraco, deve ser por isso que vc entrou em crise.
O lítio é um dos melhores estabilizador e é o mais forte. Quando vc o tira e coloca outro no lugar ( muito mais fraco do que o lítio) a tendência é que se entre em crise mesmo.
Peça pro seu medico para voltar com o lítio, pois ele é o estabilizador mais eficiente que existe. Mas se não for possível, então para ele passar outro estabilizador (que não seja tão fraco).
A maioria dos estabilizadores são mais fracos que o lítio, só que tem uns que são muito fracos.
Então peça um estabilizador mais eficiente.
Em alguns casos, tem pessoas que não ficam muito tempo estável só com um estabilizador, nesse caso é muito bom associar um estabilizador de humor com um pouco de antipsicóticos, pois os dois juntos proporciona um estabilidade mais duradora.
Abraços

Anônimo disse...

tenho tratado a bipolaridade desde 2008 e já tomei todo tipo de remédio, até que acerteicom um médico, tomava quetiapina, paroxetina, risperidona e para as crises de panico o rivotril, até que o médico parou de atender pelo meu convenio e acabei trocando o médico tirou todos os remédios deixou apenas o quetiapina e quando tenho insonia tomo o patz, conclusao estou em uma fase de mania muito louca não consigo mais dormir e estou com uma vontade enorme de tomar todos os compriidos que eu tenho em casa de uma vez e acabar com esse desespero, o que eu faço pelo amor de Deus ?

Evelin Verdeco disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luciana disse...

Bom dia a todos! Tenho 28 anos, sofro há anos com diversos sintomas de bipolaridade e tomo Depakote 500 mg. Me sinto instável todos os dias e o período depressivo tem durado muito. Já procurei diversos psiquiatras e nenhum deles troca medicação. Vejo muitas pessoas falando de Litio. Será que o problema está no remédio?

Mente inquieta disse...

Ola Luciana,

Pode estar sim relacionado a medicação.
Uma medicação adequada vai te deixar com o tempo estável. E hoje em dia não é normal a depressão dura um período tão longo, pois já existem muitas medicações boas para isso.
A medicação correta Estabilizador e outra medicação associada depende da pessoa. Cada caso é um caso.

Vc deve procurar um novo psiquiatra que troque a medicação e teste outras novas, vc diz pra ele que vc quer trocar! Pois vc já está uum tempo com essas e não esta vendo melhoras.

abraços

Mente inquieta disse...

Pode estar sim relacionado a medicação.
Uma medicação adequada vai te deixar com o tempo estável. E hoje em dia não é normal a depressão durar um período tão longo, pois já existem muitas medicações boas para isso.
A medicação correta (Estabilizador e outra medicação associada) depende muito de cada caso e da da pessoa.

Vc deve procurar um novo psiquiatra que troque a medicação e teste outras novas, vc diz pra ele que vc quer trocar as medicações,pois vc já está um tempo com essas e não esta vendo melhoras.

abraços

Livian Ingrid Miranda disse...

Oi, sou bipolar e falo tratamento há anos, mas nos últimos o resultado não tem sido muito promissor. Me isolei dentro de casa há um ano, não saio, tenho edo de gente, estou gorda, depressiva, perdi o gosto por tudo. Minha família não me acompanha ao CAPS, não procura se informar sobre o assunto e finge não perceber quando estou surtada,pior, minha irmã vive me provocando, pirraçando e todos sentem vergonha de mim, até me chamam de fraca. Tenho um filho de 13 anos, e morro de medo que ele tenha esta doença. Penso em fugir pra bem longe e mudar de identidade. Odeio a minha vida.

Anônimo disse...

Livian, essa é uma maldição que o bipolar carrega. Só quem tem essa doença sabe o fardo e a dor que sentimos. Só quem têm câncer, sabe a dor de outra pessoa com câncer. Quando a nossa própria família não te entende, a situação fica mais complicada ainda. Vc têm seu filho, espero que vc tenha uma boa relação com ele. Se tiver, explica com calma para ele da sua doença. Ele até pode carregar nos genes dele, mas as vezes não se manifesta. Acho que no meu caso, o gatilho for a morte do meu pai há onze anos. Procure passar tranquilidade e afeto e assim vc estará fazendo o melhor que pode. Esquece os seus parentes que te fazem mal e pensa em Deus. Não tê efeito colateral e é de graça! Melhoras, Francisco

Anônimo disse...

estou começando mal, não me enquadro nos sintomas clássicos, diria ser mais uma ciclotímica e a depressão é o que prevalece, já tomei lítio que detonou a minha tireoide, tomei depakote que me deixou no fundo do posso, tomei olanzapina que me deixou de larica 24 horas e com um puta refluxo, resultado 10 kg em três meses e muito, muita tristeza. o que posso concluir é que nenhuma dessas abordagens me ajudaram, apenas criaram mais problemas na minha vida. HOJE TENHO ALÉM DE TUDO, QUE TRATAR DE HIPOTIREODISMO E OBESIDADE.

Anônimo disse...

Tenho 52 anos. Minhamãe e minha avó eram bipolares. Fui diagnosticado aos 21 anos, mas me neguei a aceitar. Somente com o nascimento do meu filho hádezanis passei a encarar a realidade e buscar me informar. Pelo que vejo, compreendo que tenho sim variações de humor,mas não a ponto de contemplar o suicídio ou ser sujeito a surtos, embora me sinta bastante deprimido e nihilista a maior parte do tempo e tenho momentos de descontrole em que grito e esbravejo de forma assustadora, porém jamais descambando para violência física. Aprendi que a depressão pode se instalar e durar anos ou a vida toda. Eu estou deprimido desde a morte de meu irmão ha 20 anos, mas tive momentos de descontrole ao lá ngo desses anos em que desperdicei fortunas em negócios mirabolantes ou acreditando em um futuro irreal. Hoje vivo isolado, sem amigos, desempregado e obeso. Minha vida está parada e estou diante da perspectiva de perder o pouco que tenho: minha casa, o mueúnico refúgio em um.mundo em que em sinto inadequado, incapaz de enfrentar. Tenho medo de usar remédios, mesmo porque não me identifico com casos extremos como expliquei acima (suicídio, violência). Tenho como agravante uma infância bastante infeliz, caótica e sem pai. Fica difícil separar condicionamento de condição. É exaustivo o exercício permanente do confronto dos meus sentimentos e pensamentos com a realidade e não me sobra energia para levar uma vida produtiva. Estou cansado e finalmente procurando ajuda.

Anônimo disse...

Tenho 33 anos, e sofro com o transtorno desde os 19 anos, quando tive minha primeira depressão. Nem sei pq estou escrevendo aqui, hoje, talvez por estar cansada de estar sozinha.
E, sim, há muitas pessoas à minha volta, querendo ajudar. Já passei por diversos tratamentos. Mas eu acabo largando, boicotando. A minha existência é apenas sobrevivência.
Não trabalho, não tenho vida social. Invejo a maior parte das pessoas; bem sucedidas ou mesmo fracassadas, mas que apenas tem vontade de viver.
Essa é a única coisa que eu realmente almejo, acordar um dia e querer viver. Acredito que o resto, a partir disso, pode se ajeitar.
Penso, diariamente, na morte e em como eu gostaria de ter coragem para ir adiante. Mas até nisso eu fracasso, por medo. E então passo as horas em devaneios, planejando algo que sei que sou incapaz de executar.
Já não sei como viver, mal consigo sobreviver e também não consigo morrer.

lu disse...

Ola gostaria de montar um grupo no zap quem quiser e so add esse numero 83 87704396

Anônimo disse...

Meu nome Marcos sempre tive uma boa autoestima porem depois de um acidente no qual deformou meu nariz estou tendo problemas com minha autoestima e com a respiração, porem o custo de uma cirurgia é bastante alto, como não tenho condições de pagar a cirurgia resolvi fazer uma vaquinha online, quem puder ajudar eu agradeço muito! quero muito recuperar a minha autoestima! obrigado!.
https://www.vakinha.com.br/vaquinha/minha-rinoplastia

Viviane Ferreira disse...

Meu caso e o seguinte,tem dia que estou tao feliz mais tao feliz que chega ser irritante,outro,ja estou muuuito quieta triste,e calada,e penso em suicidio ,o tempo todo,me ajudem,eu tenho transtorno bipolar?

Unknown disse...

Sou Italo Estou passando pela mesma dúvida também ficou muito alegre e chego a ficar irritante e inconveniente, agora estou depressivo e ao mesmo tempo fico alegre já tomei antidepressivos mas que acredito ter piorado. Estou a procura de um psiquiatra ele é especializado neste assunto faça isso também peça ajuda a um amigo de confianca ou familiar, Abraço Que O Pai Eterno nos ilumine!

italo mendes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Bom Dia! Gostaria de saber se mesmo tomando os tais ``estabilizadores de humor`` eu posso ter crises mais leves de euforia e depressão? Obrigado!

Viviane Ferreira disse...

Vamos criar um grupo no wats para quem acha que e bipolar meu numero eh03592508927!!

Mente inquieta disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mente inquieta disse...

Anônimo (07/10/15),

Mesmo vc tomando remédios, vc pode ter crise. As medicações corretas são responsáveis por 50% da nossa estabilidade. Mas, para adquirir e principalmente manter a estabilidade são uma série de fatores: sono regular, terapia, rotina, respeitar o ciclo biológico, etc.
Esses outros 50% só depende de vc e se vc não fizer, mesmo tomando remédios terá recaídas.

Abraços

Veja postagens relacionadas a sua duvida que esta nesse blog:

Tratamento com êxito:

http://convivendocomabipolaridade.blogspot.com.br/2015/03/tratamento-com-exito.html

O que fazer para não ter mais crises:

http://convivendocomabipolaridade.blogspot.com.br/2015/09/o-que-fazer-para-nao-ter-mais-crises.html

Viviane Ferreira disse...

ja frequentei psicologa e tomei antidepressivo mas tambem nao deu em nada!

Unknown disse...

colegas, boa tarde!
se tiverem grupo de watsapp para trocar experiencias por favor me add 31 97300 8758.

Anônimo disse...

Boa Tarde, o meu nome é Alex (52 anos) e fui diagnosticado com transtorno b. a fines de janeiro. Nos ultimos 10 anos passei por 6 psiquiatras, um monte de medicamentos y fiz toneladas de besteiras. No moneto estou medicado com depakene e venlafaxina. La sensação que tenho é que melhorou muito a qualidade de vida da minha mulher e em geral a das pessoas que tem um convivio próximo comcomigo. Mas a minha qualidade de vida não está muito boa. O que posso fazer para melhorar a minha qualidade de vida também?

Mente inquieta disse...

Boa Noite Alex!

Se vc faz o tratamento certinho (uso da medicação + terapia) então vc já esta meio caminho andado.
A qualidade de vida é o conjunto de condições que contribuem para o bem físico, mental e espiritual do indivíduo.

Pra ter uma boa qualidade de vida vc precisa cuidar bem de todas as áreas da sua vida.

Só o tratamento convencional não é suficiente.
A chave pra ter esse equilíbrio é MUDAR O ESTILO DE VIDA.
O Estilo de vida está totalmente ligado a Qualidade de vida.

Te recomendo ler essas postagens desse blog, pois vão te ajudar:

O que fazer para não ter mais crises?
http://convivendocomabipolaridade.blogspot.com.br/2015/09/o-que-fazer-para-nao-ter-mais-crises.html

Tratamento com êxito!
http://convivendocomabipolaridade.blogspot.com.br/2015/03/tratamento-com-exito.html

Espero ter ajudado.

Caso as dicas não seja suficiente vc pode fazer um processo de coaching emocional comigo para te ajudar a melhorar sua qualidade de vida.
Eu trabalho como coach das emoções e já atendi alguns bipolares.

Meu site: http://www.coachvivianevaz.com/ lá tb tem meu email.

Abraços

Viviane Vaz

Anônimo disse...

Muito Obrigado, Viviane. Vou pesquisar nesse site. Eu não acredito muito em psicoterapias. Eu sou da area das ciências exactas e não vejo nenhum sustento científico nesse tipo de coisas. Estou pensando complementar a medicaçõa com atividade física, que eu até já fiz (até de maneira exagerada, alguns anos atrás). Mas muito obrigado mesmo. A pesar de ser casado com uma mulher superparceira e ter muito amigos legais, a gente se sinte só, porque é dificil de entender o que pasa pela cabeça de alguem com esa doença. Muito obrigado, mesmo e uma abraço, Alex

Mente inquieta disse...

De nada Alex!

Anônimo disse...

Depois que eu tive uma crise de euforia, eu não consigo mais sair de casa, minha tendência é depressiva. Como posso mudar isso pois não gosto de terapia. Alguém pode me ajudar?

Paulo Gregorian disse...

Galera

Temos um grupo sobre bipolares bem Bacana.

Quem.quiser me.add no whatts 11987135545






Anônimo disse...

Você é a mediadora do grupo?

Mente inquieta disse...

Anônimo de 08 de abril.

Não sou, no caso do grupo de Brasília o APTA (Nucleo de mútuo ajuda às pessoas com transtornos afetivos do DF) os mediadores são psicólogos voluntários,eu faço parte da organização, tenho outras funções no grupo. abraços

Marjorie Serra disse...

Olá,

o q vcs médicos, especialistas indicam em relação a meditação para pessoas com transtorno bipolar?

Anônimo disse...

OLA BOM DIA . DESDE OS 15 ANOS QUE TENHO DEPRESSÕES MAS SÓ ME FOI DIAGNOSTICADA A BIPOLARIDADE EM 2008 TENHO HOJE 34 ANOS E ATE ACEITO A DOENÇA MAS NINGUEM A COMPREENDE COMO NÓS BIPOLARES É COMPLICADO E NESTE MOMENTO ACHO QUE ESTOU NUMA FASE DE EUFORIA MISTURADA COM DEPRESSÃO MAS TENHO MEDO DE DIZER POIS SE O FIZER IRAM ME APONTAR O DEDO POR MAIS UMA CRISE E EU NÃO POSSO DEIXAR DE TRABALHAR... ENFIM IREI ATÉ AO LIMITE

Anônimo disse...

É da paraiba?

Mente inquieta disse...

Anônimo 11.06.16
Não conheço grupo específico na Paraíba para apoio de Transtorno bipolar.
Mas, existe um Grupo Anônimo que é do tipo do AA, mas é Neuróticos anônimos que é um grupo anônimo em que as pessoas se reúnem para trocar depoimentos e experiências, é de graça. O Grupo é voltado para resolverem seus problemas emocionais comuns e dessa forma se reabilitarem da doença mental e emocional. Trata a depressão, ansiedade e tb tem bipolares. Aqui em Brasilia tem desse grupo e tem varias pessoas com transtornos que frequentam.
Tem reuniões em algumas cidades da Paraíba.
Campina Grande, Esperança, João Pessoa, Pirpirituba e Santa rita
o site do N/a é http://www.neuroticosanonimos.org.br/
lá vc encontra os locais das reuniões.
Abraços

Anônimo disse...

Olá, por favor preciso muito saber se existe grupo de apoio em Recife. Obrigada.

Kelly Araujo disse...

Boa Tarde!

Poderiam me dizer se existe grupo de apoio em CAXIAS DO SUL?

Moro nesta cidade e não encontrei nada referente a isso.

Felicidades a todos

Franciele dos Santos De Latorre disse...

Olá,
Meu nome é Franciele, tenho 18 anos, e acho que desde que me entendo por gente, tenho algum problema, não consigo estabelecer relações, meu humor oscila muito, da alegria absoluta, a tristeza profunda, quase sempre estou em algum extremo, poucas pessoas são capazes de suportar essas crises, e assim pouco a pouco estou me isolando, para a segurança dos demais. Quando eu era criança tinha crises de choro constantes e problemas de auto-estima, quando tinha oito anos comecei a me cortar, a me ferir,pensei muito a respeito da minha morte. Meus diários que hoje em dia me entristecem grandemente, são só reflexos disso, referências ao suicídio permeiam quase todas páginas. Na adolescência não conseguia me relacionar fisicamente com outras pessoas, isso retardou muito minhas relações amorosas, talvez consequências dos abusos físicos, psicológicos e sexuais sofridos na infância, quando finalmente fiz dezoito anos, há alguns meses atrás, comecei a ter sessões com uma psicóloga, todavia nada disso foi capaz de me ajudar, a plenitude durava somente algumas semanas, um mês com sorte, preciso de ajuda e não sei a quem recorrer, tenho medo do que posso fazer a mim ou as outras pessoas, esse lapso de lucidez que me permite escrever agora, certamente em um dia ou dois irá sumir.

Teresa Raquel disse...

Tudo começou quando eu tinha dezoito anos: Numa festa com "amigos" eu bebia o meu copo de vodka quando alguém decidiu minar com uma droga chamada ketamina para abusarem de mim em grupo. Não me lembro de nada senão de flashbacks. Trauma. A realidade distorceu-se. Agora tentem imaginar o que é não destinguir aquilo que a vossa cabeça cria e a realidade dita por si própria. É agoniante. No início rejeitei medicação e todo o tipo de tratamento que me era sugerido, sendo que, sem outro tipo de opção disponível, fui internada numa ala psiquiátrica na zona da Ajuda em Lisboa. Cresci num mês aquilo que por norma um ser humano deve crescer em cerca de cinco anos ou mais. Percebi pela primeira vez que o mundo afinal não estava aos meus pés e que o futuro era incerto. Todas as manhãs tomo metade de dez miligramas de um anti-psicótico que se chama ariprapazol (abilify),e um comprimido e meio de lamotrigina. Engordei muito por causa disto. Fui tratada, mas desmamei medicações várias vezes, crente que sustos daqueles como surtos psicóticos nunca mais fossem acontecer, até aos meus presentes vinte e seis anos voltaram a acontecer duas ou três vezes… Os teus amigos começam a recear reacções estranhas e afastam-se um a um… São poucas as pessoas que lidam com alguma naturalidade perante situações destas. São poucas as pessoas que tentam entender incidentes destes. É difícil relatar momentos em que surtei porque o meu cérebro encarregou-se de os apagar pouco a pouco… quase tudo. Os momentos que ainda consigo recordar, ainda que como flashes ou períodos curtos de tempo foram quando estive a última vez em Londres, faz agora 1 ano e tal, quase dois. Imaginem-se no metro: Pessoas vêem falar contigo, pessoas que aplaudem, pessoas que aparentam doenças na pele… Um homem vestido com um fraque todo branco de chapéu de côco branco a estender-te a mão mostrando caminho para um corredor… Os prédio que aumentam de andares, pessoas de três metros e tal, tudo a aumentar de dimensão… Uma realidade toda ela futurista…Ficaria a madrugada toda a descrever coisas que nunca imaginei um cérebro poder conceber. Pelos vistos o meu conseguiu. Não. Não é divertido. É assustador. Fui levada para uma Universidade/Hospital lá em Londres ainda, depois de ter sido interrogada pelas autoridade dentro do metro, numa sala, não me recordo bem… Não conseguia explicar o que estava a acontecer nem eles por algum tempo conseguiram entender qual era o meu problema. Ainda hoje não entendo nada do que ali se passou, dentro daquela salinha minúscula, pois o meu cérebro só pensava que queria ver o meu pai, via o meu pai na cara do polícia que me interrogava, depois pensei que estava no céu, logo em seguida começei a falar muito rápido num inglês fluente e com sotaque dali (segundo o que depois amigos meus que me foram buscar me relataram…), no regresso a Portugal, no avião, entrei em pânico porque pensava estar noutra dimensão, e que nunca mais conseguiria voltar a casa… É difícil descrever este episódio, mas enfim, aqui ficam algumas das visões/sensações que tive. Ponderei o meu suicídio vezes sem conta. Não o fiz por dó aos meus pais, principalmente à minha mãe. Quero morrer ás vezes porque experienciando uma vida abstrata como esta, encontrar “o fio à meada” torna-se um autêntico quebra-cabeças, e eu sempre odiei qubra-cabeças. Esta é a minha cruz. Não estamos sós apesar de tudo, a ciência avança, o mindfullness é explorado também ele como possível resposta a distúrbios deste género, por isso… mantenho-me viva. Aguns dizem que não tenho o mesmo brilho no olhar, mas eu sei que ele vai voltar. Com o tempo. Se alguém por alguma instância precisar de trocar alguma ideia, ou precisar de alguma ajuda não exitem em contactar, eu terei todo o gosto em trocar alguns e-mails.

Um dia atrás do outro.

Anônimo disse...

Olá!
Só agora descobri esse site e pude me ver em alguns dos muitos depoimentos postados. Acreditem que só agora aos 60 anos e que vim a me conscientizar que realmente sou bipolar. Tenho casos na família mas nunca pensei, comigo? Agora é que estou com acompanhamento de psiquiatra para passar remédios pois muitas vezes parava de tomar conta própria . Tomo Depakote e Donaren, fiz terapia com "coche emocional" que acredito piamente que em 10 sessões eu finalmente me conheci, me encontrei e pude compreender muitas e muitas coisas e colocá-las em seu devido lugar. Também procuro caminhar, fazer pilates, yoga para fazer movimentos pois o Depakote estimula o apetite e engorda. Gostaria de saber se aqui em Recife tem algum grupo direcionado para pessoas bipolares afetivos se encontrar e trocar conhecimento e experiência!

Mente inquieta disse...

Olá anônimo. Que eu saiba não tem grupo para bipolares em Recife, mas vc pode confirmar essa informação na ABRATA, no site ou ligando lá, porque eles têm mais controle sobre informações referente as Associações para bipolares no Brasil.

Caso não tenha grupo específico na sua cidade, vc pode procurar as reuniões dos neuróticos anônimos. Site: http://www.neuroticosanonimos.org.br/
São reuniões direcionadas para quem tem algum problema emocional ( depressão, ansiedade, irritabilidade, etc) tem muitos bipolares que frequentam.
As reuniões são baseadas nos 12 passos da mesma filosofia do AA ( alcoólicos anônimo) mas no caso no grupo do N/A é para tratar o emocional. Tem grupo desse em todas as capitais do Brasil. Entra no site e veja a reunião mais próxima! Abraços
http://www.neuroticosanonimos.org.br/

Monique Azevedo disse...

Sou de Recife e têm o AMPARE.

Tiago Braz disse...

ola, sou novo aui, mas me identifiquei com o grupo, sou diagnosticado ha 10 anos , com nsssss circunstancias , sou do MS alguem poderia me dizer algum contato de grupo aui no estao ?

Anônimo disse...

Oi tenho a doença, posso dizer que com tratamento dá pra viver bem não desista!

Anônimo disse...

Oi tenho a doença, posso dizer que com tratamento dá pra viver bem não desista!

papeando s disse...

Sei o que e ter uma infancia ruim e crescer sem pais, nisso eu tenho mestrado!!!

Anônimo disse...

Aguem pediu por reuniões em Caxias do Sul:
Reuniões: Sábado as 14:00
Endereço: Rua Feijó Júnior, 269
Local: Prédio da Cruz Vermelha
Telefone (54) 9935 3857 - 8423 3829
e mail: enabra@neuroticosanonimos.org.br

Eu estou sendo ajudada por Niacina (Vit B3) e Vit C (ambas 3000 mg, divididas em três doses de 1 grama após as refeições), dês-de dezembro 2015. Comecei com 25 mg duas vezes a dia, e fui aumentando 25 mg semanalmente, sempre aumentando primeiro na primeira dose. Após chegar em duas doses de 1 grama por dia, subi para três doses).

Também uso Rodiola e Ashwagandha, 4 a seis semanas uma, e 4 a 6 semanas a outra, e também Bacopa ao acordar. Além de uma formula floral que compilei sozinha.
Pra ajudar com o fígado, mas também com a mente, eu uso Schisandra uma vez por semana, e neste dia paro com a outras ervas.

A Niacina termina com a psicose, traz energia e foco. A memória e cognitivo vão melhorando (também com a ajuda da Bacopa), assim como o isolamento. Aos poucos tudo isto parece normal; mas ainda sinto um pouco da mania, ficar acordada a noite no computador, e desordem mental, com as coisas do dia a dia. Estou tentando Litium Ororatum, de dois ou três em três dias, pra evitar efeitos colaterais, mas mesmo assim tenho um pouco. Tomando 1/4 do comprimido de 5 mg combinado com a homeopatia Phosphorus 6 CH, estava me ajudando a dormir mais cedo, quando tentei a metade do comprimido, tive efeitos colaterais, e tive que parar dois dias. Tentarei de novo como antes.
O que estou postando aqui, é prática comum nos EUA. Estão disponíveis na Internet as páginas do Dr. Abram Hoffer (psiquiatra canadense que descobriu a Niacina) e centenas de forums e blogs americanos. Também sobre as ervas.

Não me dei bem com os remédios, mas a Olanzapina me acordou; depois a troquei pelo tratamento atual. A homeopatia, com médicos homeopatas, me ajudou muito, mas não me dava consciência da doença. Hoje a tomo como coadjuvante aos outros tratamentos. Tive períodos muito bons com ela.

Precisamos lembrar que não estamos sozinhos no mundo, e se batermos, a porta se abrirá.

Anônimo disse...

Penso as vezes que sou um monstro e em outros que Sou uma criança indefesa...

Anônimo disse...

Oi ...meu namorado eh bipolar. Temos 4 anos juntos. Qndo o bipolar nao responde mensagens e n atende ligaçoes o q eh melhor fazer? E sobre traiçoes isso eh da doença?

Unknown disse...

Olá
Tenho uma clínica de apoio a pessoas com transtornos em Curitiba.
Quem tiver interesse e-mail legortec@gmail.com

Unknown disse...

Olá
Tenho uma clínica de apoio a pessoas com transtornos em Curitiba.
Quem tiver interesse e-mail legortec@gmail.com