Psiquiatra e Bipolaridade


Olá amigo (a) leitor (a),
Hoje falaremos sobre a escolha do (a) profissional psiquiatra que cuidará do seu caso de transtorno afetivo bipolar.

Antes de tudo é bom dizer: não tenha medo de ir a uma consulta com um profissional de saúde mental. Primeiro porque aquilo que a maioria pensa a respeito de psiquiatras são falácias e segundo que você deve considerar que o psiquiatra é um médico - assim como existem médicos para cuidar do coração, existem outros que cuidam do cérebro e suas reações químicas inerentes.
Dito isso... vamos em frente




                                      SE NUNCA FOI A UM PSIQUIATRA


Ir a primeira vez a um médico psiquiatra se queixando de sintomas de transtorno bipolar é mais comum do que você pensa, mas é claro que eu sei exatamente o quanto é difícil dar o primeiro passo. É natural que você esteja morrendo de medo do que pode acontecer na consulta.

Talvez, pense algo do tipo: e se eu passar vergonha porque afinal eu não tenho nada? E se o doutor (a) pedir minha internação? Ou se ele me der remédios para tomar e eu que não devia ter nada enlouquecer? Pode ser que tenha mais e mais ideias dentro da sua mente a respeito de ir ou não ao médico... - aproveite para colaborar com seus comentários ao final deste artigo.

A questão aqui é que não devemos "idealizar" como será a consulta, até porque o psiquiatra é - ou na maioria das vezes é - um profissional extremamente "sensível" para compreender todas as suas apreensões, isto é, ele sabe que se é sua primeira visita a um consultório psiquiátrico, no minimo você deve estar bastante ansioso (a).

Para escolher um psiquiatra caso não tenha, busque verificar alguma indicação entre seus familiares e amigos , se você tem plano de saúde verifique no livro da assistência médica, de uma maneira ou de outra estou certo que você encontrará um profissional.


Chegando ao consultório você deve relatar tudo que está te incomodando, e principalmente responder as perguntas do profissional sempre com sinceridade - se você tem medo de contar algum detalhe, o médico talvez precisará de mais consultas para ajudá-lo (a). Se você pensa que é bipolar, não hesite em dizer logo de início, facilita as investigações. Tenha em mente que é "raro" um médico realizar um diagnóstico numa primeira consulta - quanto mais quando estamos diante de um bipolar em potencial -, então, compreenda que haverão outras consultas para o médico fechar algum diagnóstico. Para você ter uma ideia para diagnosticar transtorno afetivo bipolar leva-se em média 2 anos.

.Enquanto isso?

Enquanto o diagnóstico não vem... o profissional de saúde mental irá buscar intervir pontualmente nos sintomas que você está sentindo e/ou apresentando. Isso significa dizer que talvez lhe receite algo para dormir melhor, melhorar o ânimo ou diminuir a ansiedade. Essas medicações talvez não sejam fixas, isto é, ao longo do tempo ele pode mudá-las com intenção de verificar a melhor combinação para o seu caso. Não se preocupe com as mudanças de medicações constantes e menos ainda com a crença de que ficará viciado (a) nelas. Isso porque o médico geralmente irá te passar doses bem pequenas das medicações, e segundo que mesmo que ele venha aumentar, ele sabe o que está fazendo. Se tiver dúvidas em relação a medicações não hesite em perguntar, seu medo pode trazer uma angústia desnecessária!
Enfim, sua primeira consulta tem tudo para ser boa, mas se caso não for, não hesite em buscar outro profissional. Relacionamentos são por natureza difíceis, e não precisamos no consultar com um profissional do qual não gostamos. Mudar e tentar de novo é normal e certamente em algum momento tudo se encaixará.


Aos bipolares que já fazem tratamento

Bem, para quem já faz tratamento mas por algum motivo não está vendo resultados positivos no tratamento, o primeiro ponto é discutir isso com o médico, o segundo, caso você realmente não chegue num acordo com o atual médico é então buscar um outro médico - sempre comunicando o atual de que pretende mudar de profissional - isto é importante pois seu médico atual poderá encaminhar seu prontuário para outro profissional. É muito comum bipolares trocarem de médico seja por um motivo ou outro. O mais importante é não trocar o tratamento pelo não tratamento. Todo esforço que você fizer para ficar bem é bom!



Autor: Will Brasil
Fonte: http://www.bipolarbrasil.net/


Um comentário:

Mente Hiperativa disse...

Achei fantástico essas recomendações pois infelizmente ainda há uma névoa em torno dos psiquiatras que o tornam pessoas nada atrativas...

Mas a realidade não é essa, não há nada demais em ir a um deles e fazer um tratamento, ser bipolar é ter uma doença crônica que pode ter seus sintomas atenuados, as crises controladas...

Se todos tivessem essa consciência tudo seria um pouco mais fácil.

A minha experiência de ter ido a um psiquiatra não foi muito satisfatória pelo fato inusitado dele ter me dado o diagnóstico na PRIMEIRA consulta, e passou dois remédios consideráveis logo depois de meia hora de conversa. Claro que na hora acatei sua decisão, tava em crise, mas depois de alguns meses eu pensei melhor: Será que ele agiu corretamente?

Eu creio que antes de tudo o mais importante é sempre manter uma relação de diálogo com o médico, onde deve haver comprometimento e transparência. Sendo assim se o paciente falar ao médico suas dificuldades, efeitos reversos do medicamento, expectativas, insatisfações, então desde que o médico seja bom profissional e compreensivo fica tudo mais fácil.

Abraço